mapas mentais

12 ago 19

Mapas mentais: aprenda como usá-los nos estudos!

O que fazer para melhorar o rendimento nos estudos? Essa é uma pergunta que, certamente, já passou ao menos uma vez pela mente da maioria dos estudantes, seja na preparação para uma prova, seja para fixar melhor o conteúdo visto durante as aulas ou revisões. Felizmente, existem diversos recursos que podem ser aplicados nesse sentido — como os mapas mentais, sobre os quais falaremos neste post!

E você, já ouviu falar nessa ferramenta e sabe como ela pode ser útil para obter resultados cada vez mais satisfatórios ao estudar? Para descobrir as respostas dessas perguntas e, ainda, conhecer alguns aplicativos que podem ser verdadeiros aliados ao executar mapas mentais, continue conosco na leitura do artigo!

O que são mapas mentais?

Antes de explicarmos o que são mapas mentais, é interessante abordarmos uma questão que afeta diretamente o rendimento nos estudos: a curva do esquecimento. Ela se baseia no preceito de que o cérebro humano já está habituado a descartar aquelas informações que não são utilizadas com frequência.

Segundo o alemão Hermann Ebbinghaus, criador do conceito, o nosso sistema neurológico não sabe diferenciar aquelas informações úteis das desnecessárias, portanto, para garantir a eficácia nos estudos, é necessário rever constantemente o conteúdo para que ele não acabe completamente esquecido ao longo do tempo. Quando essas revisões são aliadas a metodologias de aprendizagem e memorização, os resultados são ainda melhores.

É justamente aqui que entram os mapas mentais, criados pelo escritor inglês Tony Buzan. Eles correspondem a nada mais nada menos que um tipo de diagrama. Sua elaboração começa a partir de um conceito central (ou palavra-chave). Em seguida, o estudante deve montá-lo por meio de “ramos”, que representam os sub tópicos relacionados ao tema.

Dessa forma, esse conjunto de informações — ou seja, o conteúdo estudado — é organizado de maneira a facilitar a memorização e compreensão. Para tornar o mapa mental ainda mais eficaz, é possível utilizar recursos visuais e até mesmo artísticos, como setas, cores, símbolos, desenhos, linhas de espessuras variadas etc.

Exemplo de mapa mental

Vamos supor que você está estudando a Segunda Guerra Mundial para o ENEM ou para outra prova de vestibular. Como se trata de um conteúdo que engloba vários acontecimentos, uma vez que durou muitos anos, uma forma eficaz de memorizar seus pontos mais importantes é criar um mapa mental sobre o tema:

  • ponto-chave: Segunda Guerra Mundial;
  • ramificações: chegada de Hitler ao poder, invasão do Terceiro Reich à Polônia e demais países, declaração da guerra, descumprimento do tratado de não agressão entre Alemanha e URSS, entrada dos norte-americanos na guerra, holocausto etc.

Como eles auxiliam nos estudos?

Os mapas mentais são grandes aliados do aprendizado, pois foram elaborados especialmente com base no funcionamento do cérebro — que consegue fixar mais facilmente as ideias organizadas de forma sistematizada. Isso porque eles reduzem conteúdos extensos a pontos-chave, selecionando, assim, aquelas informações mais relevantes referentes ao conteúdo estudado.

Além disso, durante a sua execução, são exercitados dois lados do cérebro: o racional e o criativo. Dessa forma, o estudante ganha mais agilidade para fazer associações e criar conexões entre palavras e conteúdos. Como consequência, há a melhor memorização das informações e o aumento da produtividade nos estudos, já que filtrar o excesso de informações e absorver aquelas mais importantes será um processo cada vez mais natural.

Como usar os mapas mentais ao revisar

Recorda-se da curva do esquecimento, sobre a qual falamos logo no início do post? Pois é, para que os mapas mentais realmente cumpram com seus objetivos, é preciso implementá-los em seu cronograma de estudos de modo a absorver completamente o conteúdo.

Para isso, siga os passos:

  • revise os mapas mentais diariamente durante 30 dias;
  • após esse período, passe a revisá-los uma vez a cada 15 dias, durante 6 meses (ou de acordo com o tempo que deseja manter essas informações na mente);
  • passado o tempo determinado, revise-os uma vez por mês até o tempo em que julgar necessário.

Quais aplicativos utilizar para fazer mapas mentais?

MindMeister

O MindMeister é uma ferramenta online voltada para a criação de mapas mentais, permitindo que você capture, desenvolva e compartilhe suas ideias de forma visual. Além de muito útil para os estudos, possibilita fazer planejamentos de projetos variados, brainstormings e demais anotações.

Para quem utilizará a ferramenta no computador, a boa notícia é que o MindMeister fica inteiramente na nuvem: ou seja, não é necessário baixar nenhum arquivo ou fazer backups e atualizações. A ferramenta está disponível para os sistemas Windows, MAC OS e Linux.

Já para os que preferem ter os mapas mentais na palma da mão, é também possível acessar o MindMeister de qualquer lugar via smartphone. Além disso, você pode compartilhar os mapas desenvolvidos com quantos amigos quiser, permitindo que eles também façam alterações e colaborem com a eficiência do aprendizado.

Download: http://www.mindmeister.com/pt

Mind Node

O Mind Node é um programa muito simples e fácil de utilizar no dia a dia, portanto, pode complementar o seu cronograma de estudos. A única desvantagem da plataforma é que, até então, ela só está disponível para os sistemas MAC OS e iOS (iPhone e iPad). Contudo, no geral, é uma ferramenta com as mesmas funcionalidades que o MindMeister, permitindo que o usuário use cores e recursos diferentes para diferenciar as ideias de seu mapa mental.

É também possível compartilhar o que é feito no aplicativo com outros amigos, imprimir o mapa com facilidade, criar gráficos e exportar os mapas mentais em diferentes formatos.

Download: https://mindnode.com/

Além desses aplicativos, existem outros com os mesmos propósitos:

Basta experimentar cada uma das ferramentas e escolher aquela que mais se adapta às suas necessidades e preferências.

Se você estava procurando por uma ferramenta eficaz para potencializar os seus estudos, agora, sabe como os mapas mentais podem ser de grande ajuda. Sendo assim, que tal experimentar essa técnica no seu cotidiano? Siga as dicas do post, conte com o auxílio da tecnologia e veja os resultados positivos aparecerem como consequência.

Gostou do post? Então, aproveite sua visita no blog e siga as páginas da FIA Graduação nas redes sociais. Assim, você continua sempre por dentro de mais dicas como essas — estamos no Facebook e no LinkedIn!

Powered by Rock Convert

Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *