Share

Headhunter: saiba o que é, funções e como contratar ou ser um

22 de setembro 2022, 16:00

Uma equipe de 4 pessoas e uma delas é o headhunter com terno na identidade visual da FIA
5/5 - (2 votes)

A busca por um headhunter pode ter objetivos variados.

Em geral, as organizações pedem suporte a esse profissional quando precisam encontrar um candidato com um perfil específico.

Ou seja, a ideia é atender às necessidades de empregos que exigem níveis médios ou altos de conhecimento e experiência em algumas áreas.

É por isso que candidatos de segmentos variados têm interesse em compreender como funciona o trabalho de um caçador de talentos.

Alguns chegam até a manter um relacionamento profissional com o hunter, a fim de se manterem atualizados sobre seu setor e facilitar a indicação a vagas alinhadas ao seu momento e objetivos na carreira.

Se você também quer saber mais sobre a atuação de um headhunter, continue lendo este artigo.

Vamos comentar suas funções, perfil, como e para que podem ser contratados, além de que maneira se tornar um recrutador de sucesso.

Estes são os tópicos que vamos abordar a partir de agora:

  • O que é um headhunter?
  • O que é necessário para ser um headhunter
  • Principais funções de um headhunter
  • Como contratar um headhunter?
  • Qual a diferença entre headhunter e job hunter?
  • Qual a diferença entre headhunter e recrutador?
  • Como o headhunter pode ajudar as empresas?
  • Qual o salário médio de headhunter?
  • Como analisar a credibilidade de um headhunter?
  • Como se tornar um headhunter?
  • Por que você precisa de um headhunter?
  • Perguntas frequentes sobre headhunter.

Boa leitura!

Leia também:

O que é um headhunter?

Uma fileira de bonecos de madeira e um se destacando na visão do headhunter
Ter uma boa relação com um headhunter ajuda a se manter atualizado com as necessidades do mercado

Traduzido do inglês de forma literal, headhunter significa algo como “caçador de cabeças”.

Embora não faça muito sentido na língua portuguesa, o termo “cabeça” se refere ao topo, ressaltando que o hunter procura por profissionais para assumir cargos altos.

Há um consenso de que essa posição de recrutador surgiu entre os anos 1950 e 1960 na cidade de Nova York, nos Estados Unidos, para suprir a carência de novas empresas por gerentes.

Pequenas e pouco conhecidas, as companhias encontravam dificuldades para recrutar profissionais adequados às posições de liderança, essenciais para negócios bem-sucedidos.

Então, recorriam a consultores experientes, que conheciam bem o mercado e tinham uma ampla rede de contatos, para encarregá-los da busca.

Com o passar do tempo, o trabalho do recrutador sofreu mudanças, sempre em busca de selecionar trabalhadores especializados e de alta performance, chamados de talentos.

Daí veio uma descrição mais alinhada ao dia a dia do headhunter: caça-talentos.

Obviamente, não estamos falando de indivíduos que atuam na procura de modelos em potencial para agências, e sim de talentos que servem a diferentes áreas.

Um cientista especializado em pesquisas para otimizar a produção de alimentos orgânicos é um exemplo de talento desejado por corporações do setor agrícola.

Esse cientista pode ser “descoberto” e acessado por um headhunter para ocupar uma vaga específica que exija conhecimentos em agricultura, alimentos orgânicos e pesquisa científica.

Em outras palavras, o hunter fará o papel de intermediário entre a empresa e o candidato, encontrando o perfil ideal, trabalhando para atrair essa pessoa para a vaga disponível e negociando os detalhes até o final do processo de seleção.

O que é necessário para ser um headhunter?

headhunter olhadno com uma lupa para dois bonecos
Profissional especializado e selecionado pelo headhunter no recrutamento costuma ter uma visão apurada do mercado

Um headhunter pode ser diretamente contratado pelas empresas, atuando como autônomo, ou integrar a força de trabalho de uma consultoria especializada.

Seja qual for o caso, esse profissional precisa desenvolver algumas competências para executar bem suas atividades, começando pela habilidade de comunicação.

Bom comunicador

Saber se expressar de forma clara e apropriada à ocasião é um requisito básico, pois o recrutador vai precisar construir uma rede de contatos relevante para dar suporte ao cliente.

Portanto, tarefas de formação e manutenção do relacionamento interpessoal farão parte de sua rotina, o que pede uma boa capacidade de se comunicar e trocar informações.

Gestor

Um recrutador competente geralmente tem um perfil de gestor.

Essa é uma função que demanda habilidades de relacionamento tanto quanto conhecimentos avançados no nível de Recursos Humanos.

Primeiramente, é preciso considerar sempre os riscos de uma contratação equivocada.

Um candidato que não tenha o “fit” da empresa representará prejuízo com todo um processo de recrutamento, contratação e demissional.

Por isso, o tiro do headhunter tem que ser certeiro.

Não há espaço para o erro, até porque sua própria reputação está em jogo.

Portanto, ele deve ser capaz de gerir sua carreira e, principalmente, o progresso de suas buscas.

Ele pode fazer isso com o auxílio de ferramentas como planilhas, aplicativos e plataformas como o Linkedin Recruiter, entre outras soluções.

Persistente

Bons candidatos não “brotam” do chão.

Até que a pessoa certa seja encontrada, é necessário um trabalho que se assemelha ao garimpo.

Assim como os bons garimpeiros, o recrutador precisa ser persistente o bastante para não desistir com as muitas buscas infrutíferas que fará.

A propósito, a persistência caminha lado a lado com outra qualidade essencial, a resiliência, tão em voga nas empresas, aliada a um outro atributo valioso: a inteligência emocional.

Sejam quais forem as circunstâncias, um caça-talentos deve ser capaz de elaborar um plano e segui-lo fielmente até obter os resultados esperados.

Por outro lado, é necessário também uma certa dose de bom senso para traçar novas rotas no momento certo, quando as coisas não saem como o esperado.

Visionário

Na famosa animação dos anos 1980, o personagem Lion, líder dos Thundercats, tinha, entre outros poderes, a “visão além do alcance”.

Ou seja, ele podia enxergar coisas que estavam longe demais para os olhos das pessoas comuns.

Na qualidade de líder, também cabe ao recrutador desenvolver habilidades parecidas.

Um caça-talentos deve ser capaz de explorar possibilidades que ninguém mais conseguiria identificar.

Para isso, ele ou ela deve manter uma rede de contatos bem articulada e, não menos importante, conhecer o mercado, como veremos a seguir.

Flexível

Headhunter fazendo explicações pelo notebook
Flexibilidade é um atributo desejável para headhunter

A flexibilidade é outro atributo bastante desejável, porque permite que o recrutador circule por diferentes ambientes e acesse indivíduos distintos com o mesmo respeito e eficiência.

Ser flexível também facilita o planejamento e adequação do processo de recrutamento junto a uma empresa, que deve ser personalizado para alcançar resultados satisfatórios.

Comprometido

Comprometimento é necessário, assim como a persistência, que já abordamos, uma vez que nem sempre a jornada de busca por um perfil profissional específico será fácil.

Às vezes, a empresa ou candidato desistem no meio do caminho, ajustam exigências ou até criticam o trabalho do recrutador, e é preciso ter jogo de cintura para passar por cada obstáculo.

Mesmo quando o processo corre dentro do período e condições esperadas, cabe ao hunter acompanhar cada etapa e, posteriormente, o desenvolvimento do candidato dentro da empresa.

Proativo

Pessoas proativas não esperam nada “cair do céu”.

Elas vão atrás daquilo que querem ou precisam, uma atitude que é essencial para um caçador de talentos.

Ele precisa ter iniciativa, tanto para buscar os melhores perfis e atender ao cliente quanto para prospectar novas empresas que contratem seus serviços.

Negociador

Como explicamos nos tópicos anteriores, é comum que o recrutador negocie com o candidato para que ele deixe o trabalho atual e migre para a vaga em aberto.

Isso acontece porque, quando falamos de talentos e profissionais qualificados para altas posições de liderança, é comum que estejam empregados.

Inclusive, muitos estarão trabalhando em companhias concorrentes, o que vai exigir vantagens competitivas para conquistar o candidato com perfil ideal para a vaga.

Familiarizado com tecnologias

Nas últimas décadas, o mundo sofreu transformações graças à internet, robótica e outras tecnologias que são úteis na hora de encontrar um talento no mercado.

Quem trabalha com headhunting não precisa ser exatamente um expert nesse assunto, mas dominar o funcionamento básico de variados sites, aplicativos e redes sociais é importante.

Generalista ou especialista

Pode parecer contraditório, mas há headhunters generalistas e especialistas.

Tudo depende de sua estratégia de atuação e, claro, das demandas do cliente.

Há quem prefira um hunter focado em uma área de atuação, que tem as características ideais para encontrar candidatos especialistas.

Outros priorizam serviços mais generalizados, que fazem buscas mais amplas para selecionar lideranças com diferentes perfis.

Principais funções de um headhunter

Vários bonecos de madeira agrupados e um se destaca na seleção do headhunter
As funções e o profissional procurado pelo headhunter variam pela necessidade da empresa

No modelo tradicional, o headhunter é contratado por uma organização para fazer um processo avançado de recrutamento e seleção, a fim de preencher uma ou mais vagas específicas.

Como cada processo é personalizado para atender a demanda do cliente, suas tarefas podem ser adaptadas conforme as necessidades.

De maneira geral, as principais funções do headhunter incluem:

  • Fazer estudos aprofundados do mercado
  • Construir uma rede de contatos (networking) relevante
  • Trabalhar pela manutenção dos relacionamentos profissionais (através de eventos, almoços, reuniões, etc)
  • Conhecer os desejos e necessidades da empresa contratante
  • Buscar por profissionais que atendam ao perfil da vaga que pretendem preencher – estejam eles em busca de recolocação ou empregados em outras organizações
  • Contatar e atrair os talentos para a posição aberta
  • Avaliar o conhecimento técnico, comportamental e as qualificações dos candidatos, por meio da aplicação de testes, entrevistas, dinâmicas, levantamento de informações sobre empregos passados e referências
  • Oferecer feedbacks constantes à empresa e aos candidatos que participarem do processo de seleção
  • Apresentar ao cliente profissionais alinhados à vaga, dando suporte para uma tomada de decisão assertiva
  • Caso o candidato escolhido esteja empregado, negociar vantagens competitivas para que deixe seu trabalho atual e escolha a vaga ofertada pelo cliente
  • Negociar e combinar as condições de trabalho, data de início e benefícios para o novo colaborador.

Vamos aprofundar um pouco estas ideias a seguir.

Estudar o mercado     

Os clubes de futebol mais bem sucedidos são aqueles que contratam os jogadores certos para as posições mais carentes no momento certo.

Eles não fazem isso sem antes uma exaustiva incursão no mercado, onde vão prospectar oportunidades levando em conta uma série de fatores.

O mais importante é o custo-benefício de uma contratação.

Será que vale a pena, por exemplo, trazer um jogador mais experiente e caro, mas que não terá uma passagem tão longa?

Ou seria melhor investir em jovens talentos com potencial para deslanchar?

O recrutador passa por situação análoga, fazendo essas indagações a respeito dos profissionais que aparecem como possíveis candidatos a uma vaga.

Construir uma rede de contatos

Ninguém vence na vida sozinho.

Por mais batida que seja essa ideia, ela continua verdadeira e, no caso dos headhunters, ela define a própria atividade.

Afinal, se uma empresa conta com os serviços de um caça-talentos, é porque precisa de um olhar diferenciado na hora de recrutar seus próximos líderes.

Esta visão só será “além do alcance” se o recrutador contar com olhos que não sejam apenas os seus.

Por isso, ele deve ser articulado o bastante para formar uma sólida rede de contatos, que vão indicar pessoas qualificadas ou, pelo menos, possibilidades para chegar até elas.

Manter rede de relacionamento profissional

Networking é a base do trabalho de todo caçador de talentos.

Com uma rede de contatos profissionais sempre ativa, ele será capaz de encontrar as pessoas certas na hora em que mais precisar.

Em certos casos, o tempo será curto demais para uma pesquisa apurada, demandando uma abordagem mais direta.

Contatos profissionais encurtam o caminho entre as empresas e os talentos que buscam, por meio de um recurso para lá de conhecido: a indicação.

Claro que, nesse caso, o sucesso da indicação vai depender da experiência e visão do recrutador, assim como da credibilidade dos seus contatos e do profissional indicado.

Conhecer o que a contratante busca

Headhunter vestido de roupa social interagindo com notebook
Para solucionar um problema, é necessário que o headhunter priorize as necessidades das empresas

Um caça-talentos é um solucionador de problemas, portanto, sempre prioriza as necessidades das empresas.

Isso significa que suas preferências pessoais, em certos casos, devem ser deixadas de lado em nome de um bem maior.

A prioridade deve ser atender exatamente às demandas de quem contrata, mesmo que, eventualmente, seja necessário agir a contragosto.

Afinal, recrutador competente não é aquele que encontra o talento mais rápido, mas que atrai o profissional certo a tempo de suprir as carências da empresa que o contrata.

Buscar profissionais alinhados ao perfil da vaga    

A dependência do networking pode levar o headhunter a decidir baseado em afinidades pessoais ou numa base de troca de favores.

Nesse caso, ele corre o risco de indicar profissionais que não sejam bem o que a empresa contratante precisa.

Se o talento contratado corresponder, ótimo, mas será que, em uma próxima oportunidade, a sorte vai sorrir?

O fisiologismo é uma prática arriscada porque, cedo ou tarde, alguém sem qualificação estará ocupando cargos importantes.

Por isso, o melhor a se fazer é preferir profissionais alinhados ao perfil da vaga, mesmo que isso signifique deixar de lado um amigo ou alguém que esteja precisando.

Atrair talentos

O headhunter deve ser capaz de atrair os melhores talentos, sempre de acordo com os interesses da empresa a que serve.

Para isso, ele precisa ter habilidades para se relacionar bem, da mesma forma que precisa desenvolver sua capacidade de análise do mercado.

Precisará, ainda, ser um líder inspirador, de modo que os talentos se mobilizem quando ele ou ela entrarem em contato.

Lembre-se que os bons profissionais não estão por aí “dando sopa”.

Tenha certeza de que, se você os procura, outras empresas e caça talentos estão fazendo o mesmo.         

Avaliar candidatos

Como vimos, a contratação de um profissional que não se enquadre no perfil da empresa é uma aposta de alto risco.

Um recrutador competente trabalha para mitigar esse risco, começando por avaliar o perfil dos candidatos que prospectar.

Essa avaliação deve levar em conta critérios analíticos, como experiência e formação, e subjetivos, como as qualidades pessoais de cada um.

Oferecer feedback às contratantes

Apesar de a expressão caça-talentos remeter a um trabalho solitário, na verdade isso não se aplica às funções de um headhunter.

Ele até tem certa autonomia para tomar algumas decisões, mas no final, é a empresa contratante que bate o martelo.

Por essa razão, todas as suas ações, buscas e contatos devem ser informados em tempo real para que a companhia possa planejar as próximas medidas a serem tomadas.

Nesse sentido, quanto mais desenvolvida for a cultura do feedback, melhor e mais fluida será a comunicação não só com as empresas, mas entre todas as partes envolvidas.

Justificar a contratação       

Nenhum projeto é aprovado sem uma boa justificativa.

O mesmo vale para a contratação de um profissional.

Por mais talentoso e experiente que seja, a empresa precisa saber o que faz dele ou dela a melhor opção.

Nesse caso, a justificativa precisa não apenas fazer sentido, mas se apoiar em argumentos e dados inquestionáveis.

Ou seja, quanto mais informação sobre o talento, mais embasada será a defesa e justificativa pela sua contratação.

Negociar vantagens ao contratado

Ser um headhunter é negociar sempre em duas frentes.

Pelo lado da empresa, ele atua no sentido de encontrar os melhores talentos, de modo a suprir suas necessidades com salários compatíveis com a realidade.

Enquanto isso, o profissional também tem os seus interesses que precisam ser colocados na balança, até porque um bom trabalhador conhece o seu próprio valor.

Assim, cabe ao recrutador encontrar o ponto de equilíbrio em que tanto empresa quanto contratado fiquem satisfeitos com uma possível parceria.

Combinar condições de trabalho

As empresas podem decepcionar seus colaboradores, da mesma forma que um profissional ruim deixa a desejar.

Cabe ao caça-talentos antecipar as questões que envolvem salários, benefícios e, principalmente, condições de trabalho, para que as expectativas sejam atendidas.

Isso evita não só a deterioração do relacionamento como também, no futuro, minimiza os riscos de uma eventual disputa na Justiça.

Sendo um caça talentos, você atuará como um intermediário entre empresa e contratado, de modo que ambos os lados saibam o que esperar caso decidam firmar um contrato.

Como contratar um headhunter?

Uma rede digital com várias imagens dos candidatos e um dedo do headhunter apontando para um deles
Acertar na escolha de um recrutador é fundamental para o headhunter também não falhar na contratação de um gerente/diretor ou até CEO

Em primeiro lugar, é importante atestar a credibilidade do headhunter, checando suas referências anteriores, taxa de sucesso, experiência, a reputação como um todo, conforme veremos em detalhes nos próximos tópicos.

Depois de escolher o profissional desejado, é bem simples contratá-lo.

Aqueles que atuam como autônomos podem ser abordados de forma direta, por meio de telefone, e-mail ou até mesmo um perfil em rede social voltada ao trabalho, como o LinkedIn.

Já as consultorias costumam ter espaços, links e e-mails para contato em seu site.

Antes de iniciar o serviço, é importante que o recrutador tenha o máximo de informações sobre a posição em aberto e o perfil profissional desejado para essa cadeira.

Por isso, invista algum tempo orientando o hunter sobre o colaborador ideal, tanto no aspecto técnico quanto comportamental.

Fale também sobre o ramo de atuação da empresa, sua cultura e valores.

Assim, o headhunting ficará mais adaptado às expectativas e necessidades para a vaga.

Avalie suas competências de comunicação

A partir do que vimos, fica claro que uma das soft skills indispensáveis a um headhunter é a habilidade em se comunicar.

Isso não quer dizer que as pessoas tímidas não possam ser boas nessa função, mas normalmente, o que se observa é um perfil mais extrovertido.

Isso porque, como também já destacamos, a rede de contatos profissionais é a base do trabalho de um caça-talentos.

Desta forma, é esperado que ele seja hábil o bastante em se comunicar para alcançar seus objetivos e, não menos importante, persuadir os talentos que contatar.

Saiba se ele tem o conhecimento do seu mercado

Cada nicho de mercado tem sua própria dinâmica.

Contratar um engenheiro, por exemplo, é bem diferente de atrair um profissional de administração ou de marketing.

Se a sua empresa pretende contar com um recrutador, tenha certeza de que ele tem experiência e conhecimento sobre o segmento em que atua.

Uma maneira simples de comprovar isso é pela análise do currículo do headhunter em potencial.

Veja em quais empresas ele trabalhou, por quanto tempo permaneceu no cargo e, não menos importante, quais resultados ele gerou.

Conheça seu histórico

A análise do currículo é também uma forma de avaliar o histórico profissional do caça-talentos.

Em certos casos, aquele profissional que parece muito qualificado não tem qualquer experiência no segmento específico de uma empresa.

Muito cuidado também com as informações falsas.

Embora a mentira possa ser facilmente detectável, em alguns casos é preciso analisar com mais cuidado e, se necessário, fazer testes que comprovem as competências do caçador de talentos.

Além disso, vale também conhecer mais a fundo a trajetória do profissional, aprofundando-se nos seus casos de sucesso.

Avalie, por exemplo, quanto tempo ele levou para intermediar contratações anteriores, se a agilidade for um atributo importante para você.

Se preciso, você pode até calcular a média de tempo do recrutador, estabelecendo assim um parâmetro.

Contudo, o mais importante é saber se as contratações foram bem-sucedidas e corresponderam às expectativas de ambas as partes.

Qual a diferença entre headhunter e job hunter?

headhunter interagindo com tablet e uma animação de redes em cima dessa interação
Apesar de perfis similares, headhunter e job hunter trabalham em lados diferentes do “balcão”

Tanto o headhunter quanto o job hunter atuam no recrutamento e seleção especializada, facilitando o contato entre profissionais e empresas.

Eles costumam ser pessoas bem-relacionadas, com amplas redes de contatos e que se mantêm atualizadas sobre diferentes segmentos de mercado.

A diferença é a forma de abordagem e, muitas vezes, o tipo de cliente.

Salvo exceções, o headhunter trabalha para as organizações, enquanto o job hunter é contratado por pessoas que desejam apoio para dar o próximo passo na carreira.

Assim, o headhunter busca por profissionais especializados e qualificados para ocupar posições de alta liderança, enquanto o job hunter foca na procura por vagas que atendam às expectativas do cliente.

Isso faz sentido, já que o termo “job hunter”, também emprestado da língua inglesa, pode ser traduzido como caçador de emprego ou trabalho.

Por procurar posições de interesse para os profissionais, o job hunter costuma manter uma relação próxima com diferentes headhunters, e vice-versa.

Essa dinâmica facilita o trabalho de ambos os hunters.

Por um lado, o job hunter se mantém atualizado sobre as opções disponíveis e pode oferecer as mais adequadas ao seu cliente.

Por outro, o headhunter recebe indicações de pessoas que poderiam corresponder ao perfil ideal para vagas em aberto e estão buscando novas oportunidades, o que simplifica o processo de contratação.

Ou seja, a relação entre job hunter e headhunter é benéfica tanto para os hunters como para os clientes – empresas e indivíduos que precisam se recolocar no mercado.

Qual a diferença entre headhunter e recrutador?

Poderíamos dizer que um headhunter é um “recrutador versão 4.0”.

Na prática, o teor da atividade é muito parecido, mas ele costuma ir além do que os recrutadores convencionais fazem, buscando não só candidatos, mas “o” candidato ideal.

Ele não se limita aos simples anúncios de vagas em sites de RH, mas faz uma avaliação minuciosa das habilidades e competências de cada talento.

Isso vale para todas as contratações que este profissional busca, com ênfase ainda maior nas posições de liderança e cargos diretivos, que é onde o headhunter atua com mais frequência.

Além disso, o recrutador muitas vezes é um funcionário fixo de uma única empresa, geralmente do setor de recursos humanos, enquanto o headhunter geralmente presta serviço especializado para várias organizações.

Como o headhunter pode ajudar as empresas?

O recrutador atua como um facilitador para os processos de recrutamento e seleção de candidatos com perfil específico.

Contratando uma consultoria, profissional autônomo ou prestador de serviços de headhunting, as organizações economizam recursos valiosos, como tempo e dinheiro.

Isso porque a busca pelo candidato adequado se torna mais ágil e menos dispendiosa, pois o caçador de talentos é uma pessoa bem-relacionada e cultiva uma rede de contatos que simplifica o encontro com a pessoa ideal.

Dispor do suporte do hunter também alivia a sobrecarga de trabalho no departamento de Recursos Humanos, deixando mais tempo para investir no aperfeiçoamento das equipes.

Outro resultado que valoriza o serviço é a maior assertividade na mão de obra selecionada, o que reduz as chances de que o novo colaborador abandone o emprego logo no início.

Claro que sempre existe essa possibilidade, mas, como o recrutador utiliza um processo mais detalhado no recrutamento, o indivíduo escolhido costuma estar bem mais alinhado à posição que assume.

Qual o salário médio de headhunter?

Headhunter experiente de roupa social com os braços cruzados
O headhunter é bem remunerado?

A remuneração varia conforme uma série de fatores, a começar pela forma de contratação, se é via CLT, como autônomo ou como prestador de serviços.

O recrutador que atua como PJ costuma ganhar mais.

A cidade, estado e região também influenciam no valor do salário de um headhunter, já que há locais com custo de vida mais alto ou mais baixo.

Por fim, existem empresas que utilizam a remuneração como incentivo para que o hunter feche a vaga o mais rápido possível, pagando a ele o mesmo valor do salário que será destinado ao candidato contratado.

Todas essas condições fazem com que haja disparidade na renda mensal de diferentes headhunters e, na verdade, as estimativas podem estar um pouco distantes da realidade.

No site Vagas.com, a média é estimada em R$ 2.861,00, enquanto no Glassdoor, o salário médio apurado é de R$ 5.225,00.

Como analisar a credibilidade de um headhunter?

Para avaliar se o trabalho de um headhunter é confiável, vale checar suas referências anteriores.

Consulte antigos clientes que possam comentar o trabalho, se ficaram satisfeitos e se o profissional entregou todo o combinado.

Também faz sentido analisar o tipo e período de experiência do hunter.

Quanto mais tempo de mercado, mais sólida a vivência deve ser.

A busca por talentos é pautada pela reputação, por isso, headhunters que não fizerem um trabalho de qualidade não conseguem sustentar o trabalho por muito tempo.

Já na seleção de uma consultoria especializada em headhunting, acrescente a verificação de dados básicos sobre a empresa, consultando seu CNPJ e se consta algum processo contra a organização.

Como se tornar um headhunter?

Não existem cursos que garantam a formação de um headhunter.

Geralmente, a carreira é produto de uma construção, o que exige o investimento de tempo, estudo e diferentes experiências profissionais.

No entanto, muitos headhunters começam se formando em Psicologia, Administração de Empresas, Recursos Humanos e áreas relacionadas à gestão de pessoas.

Desse modo, eles adquirem o conhecimento básico para forjar relacionamentos relevantes, formando uma rede produtiva para encontrar talentos.

Outro caminho, menos convencional, é o traçado por pessoas com formações variadas – professores, biólogos, economistas, etc.

Alguns desses indivíduos começam a carreira atuando em sua área, mas, com o tempo, se tornam referência para colegas de outras empresas e até de outros segmentos.

Por isso, são vistos como consultores que ajudam na seleção de candidatos especializados daquele ramo.

Seja qual for o caminho adotado, um recrutador qualificado combina conhecimento sobre o mercado, boa rede de contatos e relacionamento.

Por que você precisa de um headhunter?

headhunter conversando com duas pessoas
Além do headhunter, o recrutador também é contratado quando a busca é por um profissional qualificado e a empresa precisa de consultoria

O headhunter é especialmente útil na busca por candidatos com um perfil muito específico, que dificilmente vão ser encontrados através dos meios tradicionais de recrutamento.

É o caso de posições na presidência ou alta direção das empresas, profissionais com formações mistas ou extremamente especializados em uma área.

Observe que esses cargos, além de exigirem experiências pouco comuns, podem envolver atividades que exigem extrema confiança – como os gestores, que terão acesso a informações sobre a estratégia que embasa as operações da organização.

Nesse cenário, fica complicado tentar encontrar o profissional adequado somente anunciando detalhes sobre a vaga no site, redes sociais da empresa e páginas para divulgação de oportunidades.

É preciso zelo e bastante seriedade na hora de selecionar o profissional que vai ocupar uma cadeira de gerência, por exemplo, e conduzir o trabalho de toda uma equipe.

Daí a importância da seleção diferenciada e personalizada que o serviço de headhunting oferece, incluindo sigilo quanto aos detalhes do cargo.

Além disso, há pessoas físicas que estreitam as relações com headhunters para ficar por dentro das novidades e posições disponíveis em seu mercado.

Manter contato com os hunters pode ser útil, principalmente para quem atua no mundo dos negócios, mas não garante qualquer vantagem na contratação.

Afinal, o recrutador trabalha com foco nos objetivos da companhia que precisa preencher a vaga, e não do candidato.

Isso significa que, a menos que o profissional cumpra os requisitos necessários para ocupar uma posição, ele não será indicado a qualquer vaga, independentemente de conhecer o hunter responsável por ela.

De qualquer forma, faz sentido acessar headhunters para saber se há vagas alinhadas ao perfil do profissional, principalmente para quem estiver insatisfeito no emprego, precisando de recolocação ou em momento de reposicionamento na carreira.

No primeiro caso, o candidato insatisfeito poderá negociar condições para deixar o trabalho atual e abraçar uma nova oportunidade.

No segundo, ele pode ter notícias sobre alguma vaga interessante em aberto.

Na terceira situação, o candidato se beneficia com informações sobre as exigências para as vagas que almeja, o que ajuda na escolha por cursos e outros formatos de aprimoramento para que se torne mais atraente às empresas – e headhunters.

Perguntas frequentes

A função de headhunter é cada vez mais buscada, em razão da sua crescente importância estratégica para as empresas.

Por se tratar de um profissional em alta, é natural que as pessoas tenham dúvidas frequentes sobre a carreira, salários e condições de trabalho, entre outras questões.

Por isso, fomos buscar nos fóruns especializados e nas redes sociais algumas das perguntas mais frequentes sobre essa profissão, para que você encontre as respostas em um só lugar, resumindo tudo que vimos até aqui.

Confira a seguir.

O que significa headhunter?

Headhunter fazendo anotações em caderno
Veja o significado do termo headhunter

Headhunter é o termo usado para designar o caça-talentos.

Sua função principal é prospectar no mercado os melhores e mais específicos profissionais para que uma empresa preencha suas vagas com aqueles que correspondam às suas necessidades e expectativas.

Como é o trabalho de um headhunter?

Em suas rotinas, o headhunter está sempre em contato com pessoas e empresas que possam apoiar na sua missão de encontrar os melhores profissionais.

Ele também pode fazer isso por meio de aplicativos, plataformas e ferramentas.

Quanto ganha um headhunter?

Os rendimentos de um headhunter variam muito conforme a região, tipo de contratação, forma de trabalho (freelancer ou fixo em algumas empresas), segmento, etc.

Por isso, é difícil estabelecer com precisão uma média salarial.

No site Vagas.com, ela é estimada em R$ 2.861, enquanto no Glassdoor, o salário médio apurado é de R$ 5.225.

Conclusão

Ao longo deste texto, explicamos a atuação, conceito e em que situações é interessante contratar um headhunter.

Também falamos sobre as trajetórias possíveis para se tornar um hunter de sucesso.

Se você busca atuar nesse mercado ou conseguir recolocação profissional, não se esqueça de investir no seu aperfeiçoamento.

No site da FIA, há opções de cursos que vão tornar seu currículo ou perfil mais atrativo aos recrutadores.

Em nosso blog, você encontra mais artigos para aprender sobre diferentes assuntos do universo da administração, performance empresarial e empreendedorismo.

Se gostou deste artigo, deixe um comentário e compartilhe nas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SEM TEMPO PARA LER AGORA?
Baixar em PDF
Sobre a FIA Business School:

Com um olhar sempre no futuro, desenvolvemos e disseminamos conhecimentos de teorias e métodos de Administração de Empresas, aperfeiçoando o desempenho das instituições brasileiras através de três linhas básicas de atividade: Educação Executiva, Pesquisa e Consultoria.

CATEGORIAS
POSTS EM DESTAQUE
FIQUE POR DENTRO!

Condições de parcelamento

Valor do curso

Valor do curso para empresa parceira

à vista

R$ 42.900,00

R$ 30.030,00

12 x

R$ 3.694,00

R$ 2.585,65

18 x

R$ 2.507,00

R$ 1.754,51

24 x

R$ 1.914,00

R$ 1.339,21

30 x

R$ 1.558,00

R$ 1.090,24

Condições de parcelamento

Valor do curso

Valor do curso para empresa parceira

à vista

R$ 45.400,00

R$ 31.780,00

12 x

R$ 3.910,00

R$ 2.736,33

18 x

R$ 2.653,00

R$ 1.856,76

24 x

R$ 2.025,00

R$ 1.417,25

30 x

R$ 1.649,00

R$ 1.153,78