Share, , Google Plus, Pinterest,

Posted in:

Scrum: o que é e como aplicar a metodologia ágil para gestão?

A metodologia Scrum foi proposta para executar projetos complexos em menor tempo e com o uso de menos recursos.

Em um primeiro momento, teve utilização no desenvolvimento de softwares, mas sua dinâmica permite a aplicação em diferentes organizações que desejem aprimorar os processos de gestão de projetos.

Portanto, se você quer otimizar a forma como os projetos são conduzidos na sua empresa, vale a pena conhecer o Scrum.

Continue lendo este artigo e você vai entender mais sobre a metodologia, seus objetivos, pessoas envolvidas e como aplicar o conceito ágil junto à sua equipe.

Caso prefira, você pode navegar pelos tópicos a seguir:

  • O que é Scrum?
    • O que é metodologia ágil?
    • Como surgiu o Scrum?
  • Qual o objetivo do Scrum?
  • Onde o Scrum é aplicável?
  • Vantagens da aplicação do Scrum
  • Como funciona o Scrum?
  • Outras metodologias ágeis.

Boa leitura!

O que é Scrum?

O que é Scrum?
O que é Scrum?

Scrum é um conjunto de boas práticas empregado no gerenciamento de projetos complexos, em que não se conhece todas as etapas ou necessidades.

Focado nos membros da equipe, o Scrum torna os processos mais simples e claros, pois mantém registros visíveis sobre o andamento de todas as etapas.

Assim, os participantes sabem em que fase o projeto está, o que já foi concluído e o que falta ser feito para a sua entrega.

A metodologia também possibilita que produtos sejam apresentados em menor tempo, sem deixar de lado a qualidade.

Ela é aplicada a partir de ciclos rápidos, chamados sprints, nos quais há um tempo determinado para que as atividades sejam concluídas – geralmente, entre duas e quatro semanas.

Priorizando a criatividade e fluidez nos processos, o Scrum segue seis princípios:

  • Flexibilidade dos resultados
  • Flexibilidade dos prazos
  • Times pequenos
  • Revisões constantes
  • Colaboração
  • Orientação a objetos.

Por possibilitar a correção de erros de maneira orgânica durante os sprints, o Scrum é considerado uma metodologia ágil.

O que é metodologia ágil?

Metodologia ágil é uma ferramenta que permite a aplicação do desenvolvimento ágil em um processo.

Já o desenvolvimento ágil pode ser descrito como uma abordagem que foca a construção de produtos de modo colaborativo, através do trabalho de equipes multidisciplinares que possuem autonomia em suas ações.

Essa abordagem segue os valores expressos no Manifesto Ágil ou Manifesto para o Desenvolvimento Ágil de Software, elaborado por 17 programadores em 2001 e disponível neste site.

O desenvolvimento ágil faz oposição ao desenvolvimento tradicional de softwares, que ocorre em formato de cascata.

Isso significa que uma etapa deve ser concluída antes que outra comece, o que pede grande rigidez quanto ao papel desempenhado por cada membro da equipe e os prazos definidos.

Os programadores que escreveram o Manifesto Ágil perceberam que executar projetos de tecnologia no formato cascata resultava em desperdício de tempo e esforço.

Afinal, alguns erros só eram percebidos no final do processo, o que exigia a repetição de uma ou mais etapas, gerando retrabalho e diminuindo a eficiência do time envolvido.

Para solucionar esses problemas, eles propuseram o desenvolvimento de softwares valorizando quatro pilares:

  1. Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas
  2. Software em funcionamento mais que documentação abrangente
  3. Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos
  4. Responder a mudanças mais que seguir um plano.

Como surgiu o Scrum?

O Scrum foi idealizado por três dos programadores que formularam o Manifesto Ágil: Mike Beedle, Ken Schwaber e Jeff Sutherland.

Apesar de seguir os preceitos do Manifesto, a metodologia é anterior a ele, tendo sido criada em 1993.

Na época, Sutherland e seus colegas estavam insatisfeitos quanto ao modo com que os processos de produção de software eram conduzidos – no formato cascata – e resolveram buscar alternativas mais eficazes.

Eles observaram que, para garantir controle e previsibilidade, as lideranças dedicavam meses à elaboração de planos detalhados, que quase nunca se cumpriam.

Isso porque, trabalhando com pessoas, é inevitável haver barreiras que pedem mudanças.

Os membros da equipe também podem ter momentos de criatividade, agregando inovação ao projeto inicial.

Assim, a saída é verificar periodicamente o andamento do projeto, fazendo as correções e adaptações necessárias rapidamente, com o aval de toda a equipe.

A partir de estudos de caso, em especial das boas práticas implementadas na indústria japonesa (Toyota e Honda), os programadores chegaram aos princípios do Scrum.

O nome dessa ferramenta veio do universo do Rugby, no qual Scrum corresponde a uma reunião breve, feita antes de os jogadores iniciarem um lance.

Da mesma forma, a metodologia Scrum inclui a realização de reuniões rápidas diariamente, a fim de que todos sejam informados sobre o andamento do projeto e os próximos passos.

Outra semelhança entre o esporte e a ferramenta de desenvolvimento ágil é a formação de times pequenos, valorizando o trabalho em equipe e a colaboração.

Tanto no Rugby quanto nos grupos de Scrum, cada membro da equipe assume um papel específico, porém, todos agem de modo integrado, em prol de um objetivo comum.

Qual o objetivo do Scrum?

Objetivo do Scrum
Qual o objetivo do Scrum?

Conforme explica Jeff Sutherland no livro Scrum: The Art of Doing Twice the Work in Half the Time (“Scrum: a arte de fazer o dobro do trabalho na metade do tempo”), seu principal objetivo é aumentar a produtividade das equipes.

A metodologia permite esse progresso por acolher a incerteza e a criatividade inerentes ao trabalho dos times.

Nas palavras de Sutherland, o Scrum:

“Cria um alicerce para o aprendizado, permitindo que as equipes avaliem o que já criaram, o que é igualmente importante. A estrutura do Scrum procura aproveitar a maneira como as equipes de fato trabalham, fornecendo ferramentas para se auto-organizarem e otimizarem, em pouco tempo, a rapidez e a qualidade do trabalho”.

Onde o Scrum é aplicável?

Aplicar Scrum
Onde o Scrum é aplicável?

Como explicamos acima, o Scrum foi pensado para o desenvolvimento de softwares, ou seja, voltado para atender à demanda por produtividade na área de tecnologia da informação (TI).

Porém, a metodologia teve inspiração nas melhores práticas implantadas na indústria japonesa, a exemplo do sistema Toyota de produção.

Esse método visa diminuir o desperdício e aumentar a qualidade do produto – assim como o Scrum.

Então, valores que nortearam a criação da metodologia ágil já vinham sendo aplicados, com sucesso, na indústria automobilística do Japão.

Assim, durante as décadas de 1990 e 2000, Jeff Sutherland facilitou a implementação do Scrum em outros tipos de negócio, seja para criar um produto ou otimizar informações.

Um exemplo foi a atualização dos bancos de dados do FBI (Federal Bureau of Investigation), a fim de que se tornassem mais acessíveis, práticos e eficientes.

Após duas décadas de aplicação da metodologia, seu criador conclui que ela funciona para a gestão de qualquer departamento ou projeto complexo, sendo aplicável a todos os segmentos do mercado.

Vantagens da aplicação do Scrum

Vantagens Scrum
Vantagens da aplicação do Scrum

Implantar o Scrum em uma empresa, departamento ou projeto torna os processos mais eficientes, o que representa diversas vantagens.

Abaixo, listamos algumas delas:

  • Simplifica o desenvolvimento de produtos complexos
  • Cria um ambiente que favorece a colaboração
  • Aumenta o ROI (Retorno sobre Investimento), conforme indica este estudo
  • Confere agilidade e eficácia aos processos
  • Proporciona melhoria contínua
  • Valoriza cada membro dentro da equipe, aumentando sua autoestima, confiança e autonomia
  • Foca na satisfação do cliente
  • Estimula a criatividade – um dos ingredientes essenciais para inovar
  • Reduz o tempo para entrega do produto
  • Proporciona integração e comprometimento de cada membro da equipe junto ao projeto
  • Oferece motivação para o time, que acompanha o andamento do projeto todos os dias
  • Fornece condições para o planejamento constante, corrigindo pequenas falhas rapidamente
  • Melhora a comunicação entre todos os atores envolvidos no projeto
  • Reduz custos de produção
  • Eleva a produtividade do time
  • Reduz riscos comuns em projetos de desenvolvimento de novos produtos
  • Diminui a quantidade de reclamações por parte do cliente.

Como funciona o Scrum?

Como funciona o Scrum?
Como funciona o Scrum?

A metodologia funciona com base em iterações, que são ciclos de produção e avaliação realizados para aperfeiçoar um item, ainda durante a fase de produção.

As iterações – e o Scrum – funcionam de maneira dinâmica, incorporando o conceito de MVP (Minimum Viable Product, ou Mínimo Produto Viável, numa tradução livre).

Isso significa que, ao final de cada iteração, a equipe entrega a versão mais simples do produto final, a partir do menor esforço possível, que será apresentada ao cliente.

Com o MVP em mãos, o cliente dá um feedback, aprovando ou solicitando melhorias.

No Scrum, cada iteração recebe o nome de Sprint e costuma durar entre duas e quatro semanas, mas esse período pode ser maior ou menor, caso o time decida.

Antes de começar um Sprint, a equipe faz a Sprint Planning Meeting, uma reunião de planejamento junto ao representante do cliente – o Product Owner.

Nesse encontro, são definidas tarefas, responsáveis, métodos e tempo de projeto. As atividades formam uma lista chamada Product Backlog.

Em seguida, começa a etapa de realização do Sprint, quando cada membro desempenha suas funções e acompanha o status do projeto através de Daily Scrum, que são reuniões rápidas diárias.

Também é possível controlar o projeto observando o Sprint Burndown, um gráfico que mostra o progresso das tarefas em função do tempo predeterminado para a conclusão do Sprint.

Após encerrar o Sprint, o time conduz a Sprint Review Meeting (Reunião de Revisão) para revelar o produto gerado, e a Sprint Retrospective, um encontro que foca nas lições aprendidas.

Confira, a seguir, detalhes sobre as pessoas envolvidas no Scrum e os ritos que integram a metodologia.

Pessoas

De forma simplificada, cada Sprint exige a participação de, pelo menos, três profissionais: um para representar o cliente, outro para gerenciar e facilitar as tarefas e mais um para desenvolver o projeto.

Abaixo, saiba mais sobre eles.

Product Owner

Atuando como dono do produto, esse profissional conhece aquilo que o cliente espera como resultado, sendo responsável pela definição dos recursos e passos para alcançar esse objetivo.

O Product Owner é um representante do cliente e, portanto, tem a capacidade de orientar o time e controlar a lista de tarefas (Product Backlog).

Scrum Master

É um líder orientado à metodologia ágil, o que significa ter um papel de facilitador dentro da equipe.

Em vez de fazer a gestão por meio de cobranças e exigências, o Scrum Master se informa sobre as dificuldades e age para que sejam contornadas da melhor maneira possível.

Também tem a função de disseminar as boas práticas do Scrum junto ao time, garantindo a realização dos ritos com eficiência e qualidade.

Contar com um Scrum Master capacitado é fundamental para o sucesso de qualquer Sprint, em especial nas empresas ou equipes que ainda não estejam familiarizadas com metodologias ágeis.

Scrum Team

Consiste no time que vai desenvolver o projeto.

De acordo com os valores adotados pelo Scrum, cada membro da equipe tem autonomia para definir ou redefinir atividades, além de corrigir falhas.

Para isso, todos realizam suas tarefas com transparência, informando diariamente o status de seu trabalho durante o Daily Scrum.

A ideia não é que prestem contas do que fizeram, e, sim, que mantenham canais de diálogo com os colegas, tomando ciência de que são todos, igualmente, responsáveis pelo Sprint.

Processos e ritos

No total, a utilização do Scrum inclui sete diferentes ritos, que comentamos neste tópico.

No começo, os nomes podem gerar alguma confusão, mas, com o tempo, a equipe se acostuma e segue as rotinas com facilidade.

Daily Scrum

Para que o projeto siga com agilidade, é necessário que cada componente do time se mantenha informado sobre seu andamento.

Por isso, a metodologia Scrum pede a realização de reuniões diárias: as Daily Scrum ou Stand Up Meeting.

Durante esses encontros, que costumam ser feitos de pé e durar até 15 minutos, cada profissional responde a três questões a respeito de suas tarefas:

  1. Quais foram feitas ontem?
  2. Quais serão executadas hoje?
  3. Existem barreiras para que sejam realizadas?

Assim, todo o time sabe em que ponto se encontra o Sprint e pode agir diariamente para que os prazos sejam cumpridos.

Sprints

São os ciclos de iteração do Scrum para o desenvolvimento de produtos complexos.

Uma vez que a ideia é completar o processo com a menor quantidade de recursos e tempo, os Sprints costumam durar poucas semanas.

Product Backlog ou Sprint Backlog

É uma ferramenta que permite a organização das tarefas durante o Sprint, elencando-as em uma lista interativa.

Sua primeira versão costuma ser elaborada pelo Product Owner e, em seguida, pode ser atualizada por qualquer integrante do time.

Sprint Review Meeting

Consiste em uma reunião de avaliação final, servindo para fechar cada Sprint.

Na Sprint Review, a equipe verifica se o objetivo do processo foi atingido e apresenta o produto construído.

Sprint Planning Meeting

Corresponde ao encontro em que um Sprint é planejado, quando é definido o time responsável, a função de seus componentes e quais tarefas serão executadas.

A Sprint Planning Meeting não deve ser extensa, durando apenas o tempo necessário para a elaboração de um plano inicial.

Esse plano será avaliado e ajustado nas reuniões diárias (Daily Scrum).

Sprint Retrospective

Realizada logo depois do encerramento do Sprint, essa reunião de revisão tem o propósito de disseminar o aprendizado durante o processo, compartilhado por todos os membros do time.

Contempla, ainda, uma avaliação rápida sobre os erros e acertos, sendo estratégica para a melhoria contínua da equipe, produto e processo.

Sprint Burndown ou Release Burndown

É um gráfico que serve para tornar a comunicação mais visual e dar clareza sobre o status do projeto.

O Sprint Burndown costuma ser formado, inicialmente, por duas linhas: uma horizontal e uma vertical.

A horizontal mostra o tempo, enquanto a vertical ilustra a quantidade de trabalho a ser feita.

Ou seja, o objetivo é que a linha representando o projeto desça cada vez mais, até alcançar o eixo horizontal, evidenciando a conclusão das tarefas.

Outras metodologias ágeis

Metodologias ágeis
Outras metodologias ágeis

Agora que já conhece o Scrum, que tal saber mais sobre outras estruturas que auxiliam na implementação do desenvolvimento ágil?

Elas podem, inclusive, ser aplicadas junto ao Scrum para simplificar os processos.

Kanban

Criado pela Toyota, Kanban é um sistema que permite a divisão e visualização rápida de tarefas, por meio de cartões coloridos e colunas.

No começo, a ferramenta era mais utilizada para o setor de produção das empresas.

Porém, atualmente, ela vem sendo empregada em diferentes departamentos, sob o formato de três colunas.

Na primeira, são inseridas as tarefas a fazer.

Na segunda, as que se encontram em andamento

Já na terceira, aquilo que já foi feito.

Quando utilizado junto ao Scrum, o Kanban auxilia no acompanhamento dos Sprints.

Extreme Programming (XP)

Como o nome sugere, a Programação Extrema é destinada, basicamente, ao desenvolvimento de softwares.

Ela parte de uma dinâmica em que todos os programadores podem editar o código do projeto, focando em testes e no feedback constante entre os membros da equipe.

Dynamic Systems Development Method (DSDM)

A metodologia de desenvolvimento de sistemas dinâmicos é empregada na construção de softwares com orçamento e cronograma limitados.

Dentre suas principais características estão o controle do processo e o envolvimento do usuário, que trabalha lado a lado com os programadores para validar o produto.

Conclusão

Scrum é uma das metodologias ágeis mais popularmente empregadas nas organizações, pois se trata de uma ferramenta democrática.

Apostar em seus princípios cria uma sucessão de boas práticas e acompanhamento dos processos de construção de produtos complexos, que são bem delineados através dos Sprints.

Que tal começar a investir, hoje mesmo, nessa estrutura?

Você também pode continuar aprimorando os conhecimentos sobre gestão de empresas, navegando pelo blog da FIA.

One Comment

Leave a Reply

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.