melhor horário para estudar

01 maio 19

Qual é o melhor horário para estudar? Descubra neste post!

Powered by Rock Convert

Não é segredo algum que, para obter rendimentos satisfatórios em qualquer curso, seja a distância, seja presencial, é preciso se dedicar. Independentemente da área escolhida, os bons resultados virão com foco e, é claro, muito estudo. É justamente nesse momento que surge uma dúvida bastante comum entre os alunos é: qual é o melhor horário para estudar?

Bom, o fato é que não existe nenhuma fórmula mágica nesse sentido, no entanto, há um fator muito importante a ser considerado: o nosso ciclo circadiano. É ele quem o ajudará a descobrir o melhor horário para estudar em seu caso. Ficou interessado e quer entender sobre o que estamos falando? Então, continue a leitura do post!

O que é ciclo circadiano?

Logo na introdução, abordamos o conceito de ciclo circadiano — que divide as 24 horas diárias de acordo com o ciclo biológico de cada pessoa. De modo simplificado, pode-se se dizer que o ciclo é o relógio interno que regula o nosso organismo e varia de acordo com o funcionamento do corpo. Ele é influenciado por diversos fatores, como luz solar, temperatura, pressão sanguínea, além de substâncias como melatonina e cortisol.

O ciclo circadiano dos seres humanos, de forma natural, costuma girar em torno da luz do dia, regulando as funções metabólicas para que os níveis de energia atinjam o seu máximo enquanto há sol. Dessa forma, à noite, nos sentiríamos cansados e descansaríamos. Contudo, essa não é uma regra: existem variações individuais que podem afetar a disposição do indivíduo em diferentes horas do dia.

É justamente por isso que encontramos pessoas com um perfil mais matutino, que têm tendência a despertar cedo e obter bons rendimentos, além de mais concentração, já pela manhã. Por outro lado, há também aqueles que têm perfil vespertino, com picos de energia mais altos de tarde e, ainda, os de perfil noturno, que literalmente “funcionam” melhor durante esse período (ou até mesmo de madrugada).

Abaixo, separamos algumas características interessantes de indivíduos de cada perfil:

  • matutinos: preferem ou têm o costume de dormir mais cedo, em torno das 21 ou 22 horas, e também acordam cedo (lá pelas 5 ou 6 horas) sem dificuldades. Ainda assim, apresentam um bom desempenho físico e mental durante a manhã;
  • vespertinos e noturnos: essas pessoas têm o hábito de dormir e acordar mais tarde, se deitando por volta de 1 da manhã, por exemplo, e acordando às 10 horas. Dessa forma, apresentam melhor disposição no período da tarde e durante a noite.
  • indiferentes: por fim, há também aqueles indivíduos mais flexíveis, que se adaptam e acabam escolhendo horários intermediários, de acordo com as necessidades e exigências de sua rotina.

Para descobrir qual é o melhor horário para estudar em seu caso, é preciso observar em quais períodos do dia você se sente mais concentrado e disposto. Como? É sobre isso que falaremos no próximo tópico.

Como descobrir o seu melhor horário para estudar?

Anote os seus níveis de energia em diferentes horários

Para começar, defina um período — pode ser de duas semanas, por exemplo — e anote em um caderno como andam os seus níveis de energia em diferentes partes do dia: mais cansado, distraído, concentrado, desperto etc. Depois, analise os resultados e comece a experimentar.

Powered by Rock Convert

Tente estudar em horários distintos, medindo quanto tempo você leva para resolver os exercícios propostos ou concluir uma leitura, por exemplo. Se perceber que precisa voltar no conteúdo por mais de uma vez ou se atividade não está fluindo como deveria, pode ser que o horário em questão não seja o mais apropriado.

Escolha um ambiente apropriado para estudar

Além de definir o seu horário melhor para estudar, é fundamental que o espaço escolhido favoreça a atividade, e não a prejudique. Caso perceba que o seu pico de energia é mais alto pela manhã, dê preferência aos locais iluminados pela luz solar. A iluminação também deve ser adequada para aqueles que estudam nos outros períodos, de modo a não causar dores de cabeça ou prejudicar a visão.

Lembre-se de que o local onde você se senta para se dedicar aos estudos, por mais corriqueiro que isso possa soar, interfere diretamente em seu rendimento, positiva ou negativamente. Sendo assim, mantenha o espaço bem organizado e sem o acúmulo de outros objetos — que funcionam como um convite para que sua atenção seja desviada. Isso é algo que independe do horário escolhido. Evite também estar logado nas redes sociais, já que cada notificação pode fazer com que você imediatamente pare para conferir.

Preste também bastante atenção ao barulho no horário escolhido. Caso o seu melhor momento para estudar seja no período vespertino, mas, em sua casa, essa também seja uma hora de maior movimento e concentração de pessoas, procure maneiras de manter 100% do foco no conteúdo. Uma dica, aqui, é optar pelo uso de protetores auriculares para não se distrair com os sons ambientes.

Aproveite ao máximo o tempo de estudo

Independentemente do horário em que você se sentir mais produtivo para estudar, o importante é manter a rotina e aproveitar ao máximo o tempo determinado à atividade. Dessa forma, você se acostuma com aquele momento de maior concentração — e entrar no ritmo todos os dias se torna algo natural.

Para tanto, é interessante montar um cronograma de estudos com as disciplinas a serem revisadas a cada dia. Além disso, para obter bons resultados, é imprescindível organizar muito bem todos os seus momentos dedicados aos estudos e ao descanso. Lembre-se de que as pausas também são necessárias para melhorar o rendimento, evitando que você tenha o seu foco e concentração reduzidos e se sinta desgastado ao estudar.

Como foi possível perceber, não existe cientificamente um melhor horário para estudar. Algumas pessoas têm mais concentração e foco durante a manhã, outras, à tarde e algumas, à noite. Sendo assim, considerando o conceito de círculo circadiano e as dicas listadas acima, você pode descobrir a opção mais adequada para o seu caso de acordo com o seu próprio metabolismo.

E então, gostou das dicas que trouxemos no post? Caso tenha restado alguma dúvida ou até mesmo para compartilhar suas experiências sobre o assunto, deixe agora mesmo o seu comentário abaixo e participe da discussão!


Voltar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *